Essas listas de blog de viagem

Todo mundo caga uma regra lascada do que você deve ou não fazer quando vai morar fora. Existem milhares de dicas sobre isso na vastidão da rede mundial de computadores e na opinião dos mais célebres desconhecidos. Os blogs de viagem mostram lugares maravilhosos e dicas de como desapegar do seu emprego estável e viajar o mundo apenas com sua iguana de estimação tirando fotos artísticas com uma polaroid da iguana vestida de heróis de guerra locais. 

Mas a coisa não é nada disso.

Morar fora é tipo ir a uma formatura open bar mas tem só você de convidado. Você vai sim ver coisas lindas, mas raramente vai ter alguém pra contar como era. Vão ter milhares de programas maravilhosos pra ir e aquele restaurante de comida de rua vegano que todo mundo ta indo tá em promoção, mas você precisa ser residente há mais de 320 anos e ter um postcode na cidade para pegar os 2 pounds de desconto e não vai ter ninguém para ir com você e ver se vale a pena essa merda. E não vai valer. 

Por isso se todo mundo pode dar umas dicas de viagem e não vai ser nada disso, eu também quero mandar aqui meu recado.

O que eu acho que realmente importa aprender antes de morar fora da sua cidade/país/planeta natal: 

 

  • Aprenda a cozinhar

Esqueça o idioma, não precisa ficar estudando (e se frustrando) enquanto estiver no Brasil, porque você vai invariavelmente aprender a se comunicar de algum jeito quando estiver vivendo fora. Aproveite o tempo até que você realmente parta, para aprender a cozinhar, isso vai ser fundamental na sua estadia. E aprenda a cozinhar 1) coisas que você gosta e feels like home 2) legumes - pois os ingredientes variam de país para país e no mercado dependendo de onde você vai morar, fica difícil entender o que é cada coisa, legumes não tem segredo, você olha e (na maioria das vezes) sabe  o que é uma beringela, abobrinha, tomate, etc e é saudável néam 3) molhos diversos para macarrão - pois a Itália botou a pasta no mundo todo e é barato e é gostoso e quase tudo vai bem com macarrão. Quem sabe você não aproveita pra começar a refletir na forma como você consome alimentos.  

  • Aprenda a meditar

Isso é tão desafiador quanto aprender uma nova língua e tão necessário quanto. E tão possível para qualquer um que esteja afim. Eu uso um aplicativo de celular o Sattva (baixa lá). Não importa como você quer fazer isso, mas faça. Um tempinho todo dia e isso fará uma diferença gigantesca. Muitas coisas vão perturbar sua cabeça longe de casa e meditar ajuda em todas elas. E de quebra isso ajuda na sua evolução como um todo. E principalmente te dará técnicas de como respirar, manter a calma e viver o presente. Qualquer lugar em que você vá morar, é muito importante que você habite totalmente a sua paz interior. Te juro, você vai precisar e não vai se arrepender. 

  • Aprenda a ficar sozinho

Reserve um tempo só para você enquanto estiver se preparando para mudar. Você vai passar bastante tempo sozinho quando sair de casa (mesmo que esteja mudando com alguém) e se não tiver nenhuma familiaridade com o assunto, vai querer voltar para seus amigos e família correndo. O mais importante aqui é gostar de ficar sozinho. Descubra o que você gosta de fazer quando não tem ninguém por perto e desenvolva esses hábitos. Ah e aprenda a ser independente também, o que vem naturalmente quando você se permite aprender a ficar sozinho. 

  • Aprenda a não ter expectativas

Quando você vai morar fora, tem certeza que sua vida vai mudar, que esse novo país é o melhor do mundo e que tudo vai ser incrível e que a Monalisa é gigantesca. Tudo mentira, mas se você não esperar nada de grandioso, tudo pode acontecer e vai ser realmente maravilhoso. Se você não espera nada, você se abre para todas as experiências infinitas e fantásticas que estão por aí. 

  • Aprenda a desapegar

De coisas, pessoas e hábitos. Para não vir com uma mala grande demais e um peso extra gigantesco, é necessário desapegar de diversas coisas antes de partir. Esteja leve para circular pelo mundo e isso fará uma grande diferença na sua experiência. Você vai, certamente, comprar coisas onde quer que vá e vai descobrir que metade do que você achou que não viveria sem, é absolutamente desnecessário fora de casa. A mala precisa ser pequena e ter espaço a ser preenchido e o coração também (de um jeito positivo). Não traga nada nem ninguém que você não ama profundamente. Quando estiver arrumando as malas segure a coisa e pergunte a si mesmo: isso me traz felicidade? Se a resposta for não, não leve, doe. Para de desapegar de pessoas o processo é um pouco diferente, mas a pergunta é a mesma.

  • Aprenda a não ter nojo

Fora de casa tudo é mais sujo e estranho, ainda mais se você vai dividir casa ou morar sem seus pais pela primeira vez. Então seus nojinhos vão ser esfregados na sua cara e se você não suporta banheiro imundo ou você se dispõe a limpar todos os dias a merda dos outros ou se adapta e segue a vida. O mesmo vale pra insetos, roedores e comidas. Sua mãe não estará com você para lavar alface com água sanitária. E se você for pra Europa, tem ratos everywhere, e se for pra China vai ter que tomar banho de boca fechada e comer coisas no mínimo enigmáticas.

  • Aprenda a escrever

Manter um diário, um lugar para narrar a experiência e exorcizar as dúvidas e solidões se faz muito necessário. Escrever é conversar consigo mesmo. Não precisa ser nada profissional ou poético, basta que seja do coração. Será sua companhia e sua maior ferramenta de autoconhecimento. Recomendo a absolutamente todo mundo, até quem odeia ou se acha péssimo. Descubra um jeito que funciona pra você: agenda, caderno, computador, tablet, celular, blog, tumblr, medium, pintura rupestre, whatever. A melhor hora para escrever é quando você acorda. 

Escreva de você para você mesmo e isso vai ser sua porta salva-vidas quando o Titanic estiver afundando, Rosie. 

  • Aprenda tudo o que puder sobre si mesmo

Ao invés de fazer uma busca detalhada do lugar em que você vai morar, se preocupe em descobrir quais são os bairros perigosos e os pontos turísticos do seu interior. A cidade vai se apresentar a você de um jeito ou de outro. Faça uma análise detalhada, uma planilha, junte fotos, relatos, o que quiser, sobre quem é você, do que você gosta, o que te irrita, o que te faz feliz, quais seus sonhos, quais os lugares que você quer conhecer, do que você tem medo e quais coisas da sua infância não ficaram resolvidas e qualquer lugar do mundo será maravilhoso a partir de então. E comece pela pergunta fundamental: estou indo morar fora pra fugir ou pra encontrar? 

  • Aprenda a perdoar

Muitas pessoas vão te decepcionar, não escrever, não ligar, seguir suas vidas e você precisa praticar o perdão o tempo todo. E quando você está num lugar novo muita gente nova vai fazer merda também. Mas principalmente aprenda a perdoar a si mesmo: por sentir saudades demais, por não sentir, por ter planejado uma coisa e acontecido outra, por não ter contado a grana direito, por ter odiado a cidade, por ter amado demais e não querer voltar nunca, por não dar atenção as pessoas, por se sentir sozinho, por fazer merda. 

  • Aprenda a aprender

Aprender é um processo demorado, dolorido e que exige muita disciplina, prática e foco. Morando fora você vai precisar aprender uma caralhada de coisa nova: uma nova cultura, novo idioma, novos códigos, e se for fazer um curso ou trabalhar, por exemplo, vai aprender qualquer coisa nova que seja. Nada fácil. Se você não estiver em paz com o processo de aprendizado tudo vai ser mais difícil. Tente se lembrar como você aprendia na escola, se estudava a noite ou de manhã, se gostava de aprender desenhando, escrevendo, falando em voz alta, ouvindo ou conversando. Descubra seus pontos fortes de aprendizado e use-os. E aprenda também a desaprender, pois você vai precisar esquecer muitas coisas que já achava que sabia.

  • Aprenda a ter coragem

Ter coragem é caminhar com medo. Morar fora vai fazer você ter muito medo. Saiba reconhecer quando você está com medo e saiba seguir em frente mesmo assim. Ter coragem é um exercício diário igual qualquer outro listado acima e que pode ser conquistado por qualquer pessoa disposta. Praticar coragem é realmente identificar se existe alguma ameaça real no momento ou se você só está pensando numa dor que não existe, numa opinião que não é a sua ou num momento em que não é esse. 

 

No mais, tenha um objetivo. Por mais questionável, esquisito, comum ou boring que seja, tenha um. Não precisa agradar aos outros, mas precisa fazer sentido para você. Sem um objetivo, um lugar para chegar, a jornada fica bem difusa. É fácil se perder e se frustrar e não existe pódio de chagada (ou beijo de namorada). Saber para onde você está indo é importante em qualquer viagem. 

 

Nóis