Livros para quem quer escrever

Existem diversos livros de escritores e escritoras ensinando seu ofício.

Aqui vou falar sobre alguns que cruzaram meu caminho e podem te ajudar.

  • Sobre a escrita - Stephen King

O autor de vários suspenses famosérrimos, multi adaptados para cinema e parte da cultura de gerações, fala sobre sua vida nesse caderno de memórias. 

É tão bom, mas tão bom, que é melhor que os livros famosos dele, na minha opinião. 

O que eu extrai de valioso desse livro foi ler na prática como o jeito de ver e viver a vida é que faz o escritor. As histórias e as personagens estão todas quicando para quem observa e toma notas com disciplina.

E que dá para ser pop sem ser ruim.

E está vivo! Stephen King é mesmo um rei. 

Siga ele no twitter, vale a pena: @StephenKing

Leia também: Carrie, a estranha.

  • Bagageiro - Marcelino Freire

O Marcelino é um mestre com o pleno significado que essa palavra tem para mim: é apaixonado pelo conhecimento, quer passar isso para os outros e se mantém humilde carregando tanta sabedoria e prática. 

Portanto, este último livro dele consegue juntar duas coisas que faz com mestria: escrever e ensinar. Uma verdadeira aula para escritores e todo mundo que vive das palavras. Ou todo mundo que vive.

O que esse livro me mostrou é que a simplicidade é complicadíssima, mas é preciso busca-la a todo custo e em todos os âmbitos da vida. Concorda, prof?

Além disso, reforço a minha crença de que dentro de todo mundo há um escritor e também um poeta.

Faça o curso dele no b_arco

ou pela internet.

  • O caminho do artista - Julia Cameron

Este livro e o próximo da lista tratam da escrita como uma conexão com algo superior. Uma grande força que opera através do escritor (artista).

Eu gosto desses papos, mas nem todo mundo fica confortável. Porém a leitura de ambos os livros é fácil e poderosa. 

O caminho do artista é um curso que Julia Cameron ministrou por mais de 30 anos à artistas com bloqueios criativos. Por isso, o livro se mostra muito útil em momentos de bloqueio que todo criativo sofre.

Julian Cameron tem filmes, musicais, poesias e mais de 20 livros de não ficção publicados. Julia Cameron foi casada com Scorcese and James Cameron, sorte a deles.

Essa mina é foda! Ela manja dos paranauê da vida e isso que é legal no livro.

O que eu apliquei de fato na minha vida foi o hábito do Morning Pages. Vou tentar falar disso em um post exclusivo, porque merece.

  • Escrevendo com a alma - Natalie Goldberg

Já Natalia Goldberg compara escrita com a meditação. 

Escritora renomada e zen budista praticante, ela juntou as duas coisas em um poderoso livro.

Escrever e meditar exigem um esforço físico, concentração e muita prática (de preferência diária) por isso a comparação funciona sim.

E escrever com a alma é algo a se buscar. Mesmo se você não acredita na existência de uma alma, faça dela seu narrador pessoal.

E digo mais: para quem quer escrever bem (e viver bem) meditar é fundamental.

Eu diria que escrever também! Mantenha um diário.

Só achei este livro para comprar aqui

  • A arte de escrever - Schoppenhouer

Nunca li mais nada sobre esse filósofo, então vou falar aqui só sobre este livro.

Esse exemplar já dá uma boa ideia de como ele pensava e de como escolhia se expressar.

Se mostra nesse livro um grande defensor das metáforas e usa e abusa delas para explicar conceitos complicados, mas não sem carregá-los de bastante pessimismo, saudosismo e até um conservadorismo. Coisas que escritores amam. 

Ele se mostra um defensor das linguas antigas e elaboradas como o sânscrito e claro, a sua língua mãe: o alemão. O que achei interessante, na análise dele e curioso nessas duas línguas, é o fato delas permitirem contrações de diversas palavras formando expressões com apenas uma palavra gigante. Muito maneiro!

O que aprendi com esses ensaios dele sobre a arte de escrever é que escrever é uma arte e que arte muda o mundo. E ter pensamento crítico é fundamental para o cidadão e para o escritor

  • Um teto todo seu - Virgínia Woolf

Este livro é um clássico tanto pelo seu efeito na literatura quanto pelo seu impacto no despertar feminista daquela época.

Virgínia foi, além de uma excelente escritora e pensadora, uma ativista política engajada, fazendo parte do famosos grupo de escritores socialistas, o Bloomsbury Group.

Neste livro ela já diz de cara o que mudou minha vida: uma mulher precisa de dinheiro e um teto todo seu se ela vai escrever.

Naqueles tempos era ainda mais difícil ser uma mulher escritora, portanto a contribuição dela antes de mim é muito valiosa para escritoras como eu. E eu tratei de seguir o conselho dela e fui atrás de um teto todo meu, uma salinha, pra escrever e funcionou. Quer dizer, quase, ainda estou em busca do dinheiro.

Ela traz também ao imaginário do leitor a existência de uma suposta irmã de Shakespeare que poderia ser a mais genial das escritoras, mas ao contrário do irmão nunca poderia sair de casa para estudar ou ter tempo para leitura se vivia envolvida com os trabalhos de casa divididos por gênero e completamente apagada da história.

Bom, leia este livro, existem várias edições.

  • 642 para escrever sobre - San Franscisco Writters’ Grotto

E por último um livro de exercícios que funciona como uma oficina de escrita criativa ou literária.

Funciona mesmo, mas precisa se dedicar.

Na verdade os exercícios propostos aqui fazem parte da criação de um grupo de escritores de São Francisco que pretendiam criar uma rede de escritores ao redor do mundo. Não sei como e nem sei se funcionou.

O livro traz temas bizarros e as linhas e espaços em branco para você escrever sobre aquilo ali mesmo.

É muito divertido, solta a imaginação, faz a gente perder medos e de repente você pode ter um texto pronto e muito bom, ‘sem querer’!

Vale a pena se dedicar a escrever alguns desses temas por dia ou semana!

Bom, acho que é isso!
Tem alguma dica de livro sobre a escrita? Comenta aí!

<3