Retorno de Saturno

Acredite se quiser, questione sempre que possível, mas dentro do que eu acredito no mundo está a grande influência do movimento dos astros na vida terrena. 

Na minha crença, e na do Carl Segan, eu e todos os planetas e estrelas e animais e pessoas e objetos somos feitos dos mesmos elementos químicos das explosões das estrelas. E isso eu não consigo ignorar. E então oras, certamente temos uma grande conexão. Eu você sol lua plantas galáxias (embora meu primo tenha discordado e eu tenha mudado um pouco o texto hahahaha). 

E no momento exato em que cada ser nasce, existe um alinhamento único e individual, capaz de influenciar na personalidade que ali começa e que continua seguindo seu rumo sem parar. 

E dentre esses movimentos, existe um que eu gosto em particular e que acontece para todo mundo sob os céus: o retorno de Saturno.

A Terra como é sabido, demora 365 dias para dar a volta no Sol. As vezes 366. Saturno demora aproximadamente 29 anos. As vezes 27, as vezes 28. 

Ou seja, se você tem aproximadamente essa idade, você teria 1 ano em Saturno. Não é lindo?

Além disso, Saturno é o último planeta capaz de ser visto pela gente aqui a olho nu. E isso para a astrologia, significa o limite. 

Para a mitologia romana, Saturno era o deus do tempo. 

Então, no seu céu, quando Saturno voltar para o lugar exato em que ele estava quando você nasceu, mais ou menos aos seus 29 anos ele vai trazer a tona todos os seus limites. E testá-los ao extremo. 

Essa idade então, vai ser cheia de mudanças, boas e ruins e muito, mas muito turbulenta. Foi isso que, possivelmente, levou os famosos gênios mortos aos 27. 

Se você sobreviver a essa idade, vai começar a perceber o que você gosta ou não gosta. O que você acredita ou não acredita. O que você quer ou não quer. O que você aguenta ou não fazer. Por si e pelos outros.

Se você estiver atento a este movimento de Saturno, vai poder perceber quem você é de verdade. 

E isso é o maior presente que você pode ganhar nesse aniversário.

Eu ganhei o meu hoje, no dia em que completo 1 aninho em Saturno. 

Termino com orgulho e honra o meu retorno. 

Descobri que eu não odeio cebola tanto assim, que eu não quero ser publicitária, que eu posso escrever, que meu deus sou eu, que eu gosto de gente, mas também gosto de ficar sozinha, que quem me ama de verdade me ama mesmo com defeitos, que algumas pessoas não vão ficar para sempre na minha vida, que adoro tatuagem, palavrão e uma boa conversa. 

Descobri que ser quem eu sou é a melhor coisa que eu posso ser, mesmo por que estava impossível ser outra. 

Que eu não posso julgar absolutamente nada nem ninguém, porque cada pessoa é um ser único cheio de complicações e soluções das quais eu não faço ideia qual a origem. 

E que eu aprendo com cada uma dessas pessoas. 

E que cada experiência ruim que aconteceu na minha vida, foram as mais essenciais para eu me tornar quem eu sou. 

E que existe um sentimento capaz de causar tanto impacto como as grandes dores: o amor.

E que ele está em todo lugar e em grandes e pequenas coisas. Mas nunca em pequenas pessoas. 

Que a frustração, a angústia, a tristeza, o choro, a raiva, são humanos, necessários e precisam ser sentidos para passarem.

Que não existe nada mais motivador do que ter um sonho e acreditar nele.

Que quanto mais eu me aproximo do que eu gosto de fazer, o universo inteiro coloca uma força absurda para fazer isso dar cada vez mais certo e coisas mágicas acontecem. Porque assim eu estou ajudando o mundo de verdade. 

Que não existe infelicidade aonde existe gratidão.

Que viver o presente é o clichê mais maravilhoso que alguém já me disse um dia. 

Porque o passado é cheio de lembranças criadas pela minha cabeça e o futuro também, e que só no dia de hoje eu posso criar um fato de fato novo.

Que de todas as pessoas no mundo, as que estarão realmente ao meu lado em qualquer situação é a minha família. 

E que todo problema que já tive com eles, veio da falta de empatia e diálogo. 

Descobri na verdade, que a origem da maioria dos problemas no mundo é a falta de empatia e diálogo. 

E que a origem dos problemas grandes do mundo é a falta (ou a sobra) de amor pelo dinheiro. Porque quando me relaciono mal com esse papel, sou capaz de coisas horríveis, como trabalhar com o que não amo, ser escrava e infeliz, me enganar e até enganar pessoas, causar guerras e fomes se a ganância ou o coitadismo forem demasiadamente grandes. 

Que o tempo não é dinheiro não e sim é relativo. Que você faz dele o que bem entender e ele é todo seu. Sério, experimente ser o dono do seu tempo. E nenhuma empresa, pessoa ou relógio controla isso. 

Aprendi que estou presa apenas por meus pensamentos. 

E que tudo é possível para quem está disposto a se soltar de si mesmo. 

Que isso é ser livre de verdade. 

E que existem infinitas possibilidades no mundo se eu olhar com atenção e sem pessimismo. 

Porque o meu carrasco mais violento é o meu salvador mais corajoso: eu mesma. 

E que ter coragem é a melhor coisa que posso fazer. Porque o medo não estava funcionando. 

Que sou mulher e sou livre para fazer o que quiser com meu corpo, minhas opiniões, minha vida e minhas escolhas. E, assustadoramente, eu não sabia. 

Que eu quero estar do lado das minorias que juntas, são a maioria esmagadora do mundo.

E que eu preciso estar constantemente alerta aos meus próprios preconceitos, antes de apontar nos outros. 

Que o perdão, antes de mais nada, deve ser o sentimento mais praticado diariamente comigo mesma. 

E depois o amor próprio. E que ele nasce incrivelmente e exclusivamente de dentro do meu próprio coração. 

Que eu sou capaz de absolutamente qualquer coisa que eu quiser para minha vida. Por isso eu preciso ter cuidado e carinho ao escolher o que eu quero para mim. 

E que o melhor sempre acontece, mesmo disfarçado de pior. E que sim, fui eu mesma que desejei aquilo, mesmo que inconscientemente.

Que tomar consciência é o melhor remédio para as doenças da alma e do corpo. 

E querer o melhor para mim é querer o melhor para o mundo. 

Porque tudo o que você é, retorna para o universo e retorna para você. Tudo é feito da mesma coisa afinal, mas tão diferentemente a ponto de a única fórmula aceitável para que você flua nesse sistema maravilhoso é ser você mesmo.

E vamo que vamo, que Saturno já começou a próxima volta e eu a minha. 

E você?